Guia dos principais golpes usados

Hajime, dojô, sensei, são algumas das palavras do enorme vocabulário que faz parte do dia a dia do judô. Derivadas do japonês, claro, significam começar, academia e professor. Mas, para ajudar a acompanhar as lutas e entender melhor como funciona o esporte, selecionamos os principais golpes do judô e explicamos a dinâmica dos golpes na lista abaixo.

MOROTE SEOI NAGE



É um golpe de gola e manga, que você segura na gola com uma mão e na manga com a outra. É um golpe que você dá segurando com as duas mãos no quimono. Você entra com o cotovelo da mão que está segurando na gola por debaixo da axila do adversário, puxa a manga dele, entra entre as pernas dele e o derruba ele por cima de você. É um golpe de braço.

IPPON SEOI NAGE



Este é um primo do Morote seoi nage. Ao invés de fazer o golpe segurando na gola e na manga, você solta uma das mãos, a que estava segurando na gola, e entra com ela encaixada debaixo da axila. No Morote seoi nage, o seu cotovelo estava encaixando debaixo da axila. No Ippon seoi nage é o antebraço que entra na axila do seu oponente.


TAI OTOSHI



O que é mais poderoso neste golpe é o braço. É a principal ferramenta que o judoca tem na hora de desequilibrar o oponente. Você vira de costas para ele, flexiona as duas pernas semiabertas e puxa o adversário para ele tropeçar na sua perna.

SODE TSURIKOMI GOSHI



É um golpe parecido com o Morote Seoi Nage. Só que em vez de segurar na gola e na manga, você segura as duas mãos na manga. Você entra com o cotovelo debaixo da axila do adversário. Só que aquele cotovelo que era da mão que estava segurando na gola, agora, está segurando na manga. O adversário não tem onde se apoiar, ele está com as duas mãos presas. É um golpe de Koshi waza, é um golpe de quadril.

OSOTO GARI




 É o primeiro golpe que qualquer atleta aprende no judô, que é, teoricamente, o mais fácil, porém, no alto rendimento, é complexo porque exige coragem do judoca. Caso ele aplique e hesite, ele pode ser contragolpeado, porque você fica frente a frente com o adversário, você não vira de costas para ele. Então, você segura a gola e a manga, avança o pé do lado que você está segurando a manga e, com o pé do lado que você está segurando a manga, você entra e varre a perna do adversário.

HARAI GOSHI




Você segura gola e manga, vira de costas para o oponente. Uma das pernas vai ficar no chão, parada. Com a outra, você faz um gancho, varrendo o adversário para cair por cima de você. É como se fosse um osoto gari, você derruba para trás. Neste, você projeta o adversário para ele cair para frente.

OUCHI GARI



É um golpe de perna, parecido com o osotogari. Em vez do gancho ser por trás da perna do adversário, o gancho vai por dentro da perna do adversário. Você vai derrubar fazendo o gancho do na perna do lado em que você está segurando a gola.

TANI OTOSHI




É muito aplicado como contragolpe. Normalmente, você finge que vai fazer um golpe na frente do adversário e vai para trás. É como se ele tivesse freado para não cair para frente e está desequilibrado para trás. Ou, quando ele entrou, você contra golpeia ele fazendo um calço. Você calça ele por trás com a sua perna e derruba ele por trás.

UCHI MATA




É um golpe muito parecido o harai goshi. Enquanto no primeiro o judoca varre o adversário para derrubá-lo por cima, no Uchimata, o atleta entra com uma perna por dentro das pernas do adversário.

YOKO TOMOE NAGE



Este é um golpe de sacrifício, onde o judoca coloca as costas no chão para projetar o adversário. A perna do lado em que o atleta segura a manga do adversário vai entrar na barriga do oponente e, lateralmente, o atleta vira para derrubá-lo.

SUMI GAESHI



Assim como o anterior, também é um golpe de sacrifício. O atleta domina o ombro do adversário e entra dentro das pernas e faz uma bicicleta para trás. Essa perna que empurra o oponente para trás.

USHIRO GOSHI



Geralmente é uma técnica de contragolpe. O adversário entra e o judoca abraça a cintura dele, flexiona as pernas, projeta ele para cima, depois, sai da frente e o derruba no chão.

Postar um comentário

0 Comentários